Carolina Inácio: "Deu-nos tempo para refletir que nas coisas más, há sempre algo de bom que advém"

26 Mai 2020

Estamos a viver um período que é novidade para todos. Nunca pensei estar, com 17 anos de idade, a viver algo assim, onde distanciarmo-nos das pessoas que mais gostamos, significa na verdade que estamos a zelar por elas. Nunca pensei que estaria a trocar de passeio na rua para evitar estar em contacto com alguém, para cuidar de mim, assim como dos outros. 

Cada um está a viver este tempo de maneira diferente, seja porque tem que continuar a trabalhar, seja porque não pode, seja porque tem que ficar em casa a cuidar de alguém, seja porque é solteiro ou não, seja porque está a conseguir lidar bem com isto, ou não tão bem. Com tanto tempo sem sair, sem passear, sem verem os familiares, companheiros, amigos, etc, as pessoas começam a não saber o que fazer consigo mesmos dentro de casa durante tanto tempo. E é no meio desta confusão que as pessoas começam, e começaram a adotar novos hábitos e até a largar hábitos antigos, a viver de forma mais calma e a aprender coisas novas. 

No meu caso, posso-me considerar uma sortuda, estou com a minha família, tenho espaço para poder fazer o meu exercício, para poder relaxar, para poder estar comigo mesma e com os meus pensamentos, quando o é preciso, mas também para poder estar com os meus. 

Falando agora especificamente de algo que sempre foi importante para mim e que agora, se possível, se tornou mais ainda, o exercício físico tem sido algo, para o qual muitas pessoas se viraram nesta pandemia. Fazer exercício físico não só é vantajoso para a nossa saúde física, mas também mental, e, neste período de quarentena fazer exercício em casa é algo muito benéfico, ajuda-nos a mantermo-nos ativos, mas também nos ajuda a relaxar, a diminuir o stress, que é algo mais do que normal sentirmos nos dias que correm, pela incerteza do futuro. É um tempo para nós e para nos dedicarmos ao nosso bem-estar. Algo que aconselho a toda e qualquer pessoa. 

Nesta quarentena, tirei um tempo e criei um plano de exercício diferente para mim, a verdade é que nós temos mais tempo e temos de aproveitá-lo e usufruí-lo da melhor forma que conseguimos neste período difícil. Comecei a fazer ioga todas as semanas, a ganhar o hábito, forçar-me a fechar os olhos e relaxar, que na verdade é difícil. Descobri que há tantos exercícios e movimentos que nos podem ajudar a melhorar tanta coisa no nosso corpo, que há exercícios específicos para ajudar os nossos intestinos, entre tantas outras coisas. No entanto, não me deu tempo só para isso, mas para acalmar, para estar com os meus cães, para voltar a andar de bicicleta, para começar a ler livros que me tinham recomendado, para finalmente ver aquele filme ou aquela série que a minha irmã me diz para ver há não sei quanto tempo, para aprender coisas novas, e até para ter tempo para não fazer nada. 

Deu-nos tempo para refletir que nas coisas más, há sempre algo de bom que advém, mas que temos de fazer o melhor possível que conseguimos nesta quarentena, e esforçarmo-nos a sério, ou nada vai melhorar nem mudar, assim como tudo na vida. 

Carolina Inácio
Aluna da escola secundária D. Inês de Castro